Pessoalidades

O diferente normal

Sabe, às vezes acredito que sou um pouco estranha… Tenho gostos um pouco "diferentes", alguns caretas e românticos demais, limitados demais, outros peculiares. Entretanto, por vezes me pego seguindo algo que eu acredito ser comum demais, normal aos olhos da maioria da população. Percebi que as pessoas desejam tanto ser diferentes umas das outras, que acabam sendo todas iguais e, por fim, isso acabou virando uma moda. E que as pessoas normais são as mais verdadeiras e autênticas.

Notei que as pessoas realmente diferentes, que se destacam, não se importam com o que os outros vão pensar em relação ao seu modo de pensar ou suas atitudes. Seguem seu coração e baseiam-se na educação que receberam em casa. O seu gosto musical pode ser igual aos de muitos, mas a sua maneira de encarar aquilo é diferente dos outros. Seu estilo de se vestir pode ser parecido com a maioria das pessoas, mas ela realmente ama o seu jeito e se sente bem com aquilo, não interessa se está na moda ou não. Seu gosto por Harry Potter ou Crepúsculo é exatamente igual ao de muitos outros, mas ela não começou a gostar porque isso virou febre, ela gosta porque se identifica.

Entendeu o que eu quis dizer? Uma pessoa original não precisa ter uma aparência diferente, se vestir toda punk ou toda patricinha, não precisa gostar de Lady Gaga ou de música clássica ou axé. São os seus modos de agir, pensar e encarar a vida é o que realmente importa. De vista pode ser uma pessoa tão comum, mas quando a realmente conhece a vê que o tanto que ela é diferente das demais.

E para ser sincera, eu me acho estranha porque eu não me considero diferente e nem igual às pessoas. Muitas vezes não me encaixo em meu próprio grupo de amigos, embora muitas vezes seja completamente ao contrário, dependendo do momento. Considero isso algumas vezes sendo ora uma coisa boa, ora ruim. Que sentido tem de eu conseguir ter esta análise das pessoas (eu posso estar errada, vai saber) se eu continuo sendo uma incógnita para mim? Foi ai que eu percebi que não devo me comparar a ninguém.

E quer saber? Quem disse que o ser humano precisa ser realmente entendido? Quem disse que realmente precisamos entender tudo o que se passa em nossa volta? Porém sei que não podemos ser totalmente cegos. Talvez eu esteja sendo normal para uns e diferente para outros, mas quem se importa realmente? Sou o que sou. Faz parte de mim ter estas incertezas, convicções, ilusões e/ou realidades.

Apenas quero viver. Sem medo dos outros.


Comentários

╳ Cancelar
Ao comentar, você alega que está de acordo com a política do blog e de privacidade, consentindo o armazenamento de seu nome e e-mail nos cookies. Os comentários são moderados manualmente e podem levar algumas horas até serem divulgados ao público.

  • Mirella Ingrid

    Oie Ana,hoje me identifiquei em suas palavras,frases e trechos … achho que sou totalmente anormal,as vezes quero me vestir de tal modo porqe esta na moda,outras vezes to nem ai pra moda,PQP ando assim ultimamente,faço o que gosto,faço o que quero,porque para mim o que me importa é ser feliz ! ?

  • Arthur

    Me identifiquei muito com o texto, Aninha. Bastante mesmo. Eu também me pego pensando assim, e digo em meus pensamentos que no dia seguinte eu vou mudar o meu estilo de vida, o meu jeito de ser, e às vezes esqueço quem eu realmente sou. Já pensei em fazer um post assim, mas acho que ninguém me entenderia. Adorei, Aninha, refleti bastante ^^ Beijos ;*

  • Kaah

    Entendo bem sobre isso, eu particulamente sempre fui meia diferente do grupo, sempre tive os meus gostos e nunca segui modinha… eu particulamente acho que se todos fossem iguais qual seria a graça do mundo né… acho que o que vale é ser feliz… beijos tenha uma linda e maravilhosa semaninha! fica com Deus 😊

  • gabi

    Concordo com sua forma de pensar e demorei um tempinho – lê-se adolecência – pra conseguir entender que não precisava de subterfúgios pra ser compreendida , e que é bem mais fácil quando você ousa o que você quer ou pensa.
    A consciência de dever cumprido , ou de 'eu fiz a minha parte' . As coisas são mais entendíveis – ou seja , reciocináveis – quando usamos nossa própria cabeça e nosso coração pra ir além.

    Gosto de ver que muita gente não está realmente aí pra que a maioria pensa dela , mas que se sente bem por ser como é. Isso é minoria ainda , mas dia chegará em que as pessoas vão se aceitar mais e não simplimente se vestir ou falar gostar de uma coisa só porque um certo grupo o faz =P

    Acho digno tudo o que você disse e tem o meu maior apoio por cada palavra!
    Beijo!

  • Lena

    Ah, querida. O ser humano é feito de disiparidades, às vezes somos estranhos para nós mesmos. Se relacionar, até mesmo conosco mesmo, não é fácil.
    É até legal essa coisa de auto ajuda "vamos nos conhecer, aprender sobre nós e nos gostar mais".
    Eu acho esse papo de "se gostar" tão complicado. Eu por exemplo sou insegura muitas das vezes e de uns 3 dias pra cá 2 pessoas mto queridas disseram que eu tinha que confiar mais em mim. Mas, como? Nem sempre é fácil. Eu faço o que meu coração manda, na hora que preciso de confiança ele costuma não falhar, e nas horas que perco a confiança são as horas que a mente tá vazia, sabe, aquele ditado né? hihihi

    Seja quem você é, vezes estranha, vezes bem resolvida… o ser humano é assim mesmo e para encontrar o equilíbrio às vezes leva-se uma vida, mas vale à pena. Né?

    Beijão!

Veja mais comentários:
1 2 3 4 5 6 7
ir ao topo