Resenha: Meus Desacontecimentos

Leitura
Livro: Meus Desacontecimentos
Autor(a): Eliane Brum
Editora: LeYa
Páginas: 144
Classificacao:
Sinopse: A menina que flertava com a morte conta como foi salva pela palavra escrita. Em cada página, personagens fantasticamente reais incorporam-se: a irmã morta, que era a mais viva entre todos; a avó, comedida em tudo, menos na imaginação; a família que precisou de uma perna fantasma para andar no novo mundo; as tias que viravam flores para não murchar. Como repórter e escritora, Eliane sempre questionou a forma como cada um inventa uma vida e cria sentido para seus dias. Em Meus desacontecimentos, conta como ela mesma se arrancou do silêncio para virar narrativa. Neste itinerário de dentro para dentro, a autora percorre-se com delicadeza, mas sem pudor. Oferece-se ao leitor nua. Quase em sacrifício.

Ganhei este livro a alguns meses atrás do grupo LeYtoras e somente algumas semanas que pude concretizar a leitura. Fazia tempo que eu não lia um livro pelo qual eu tivesse dificuldade de ler até então. Meus Desacontecimentos é um livro intenso, sofrido. Um livro pelo qual você sente vontade de abraçar a narradora, Eliane Brum, e chorar junto com ela. Por isto que este livro me deixou tão abalada… pois parecia que eu estava tão envolvida e íntima da história.

Meus Desacontecimentos te faz refletir sobre diversas situações da vida. Reflexões sobre quantos "nascimentos" e "mortes" se constitui uma vida de verdade. Qual o sentido da vida. De quantos "partos" uma pessoa precisa para realmente nascer e se tornar humana.

Eliane Brum se conheceu e se salvou através da escrita, recordando coisas de sua infância e como a afetaram profundamente. Fato como sua irmã que morreu tão nova, era mais presente do que a própria Eliane. A morte e vida para ela não são coisas tão diferentes, que é tão importante quanto a própria vida. A autora se despiu em sua narrativa, e nos acolhe como se fosse aquela sua melhor amiga de infância que tem muita coisa para te contar. Um ato extremamente corajoso.

Entretanto, haviam partes que eu sentia muita dificuldade de ler. Cada página perecia que eu lia 10. A linguagem, as metáforas e a poética de Eliane Brum me pegou desprevenida e em algumas partes me sentia incomodada — a ponto de eu precisar repetir a leitura. Cheguei a conclusão que preciso ler mais livros desta forma e exercitar um pouco mais minha visão crítica para livros desta categoria, pois confesso que o estilo pelo qual sou apaixonada são livros da categoria YA — que envolve ficção, aventura e fantasia.

Apesar de eu apoiar a ideia de que leitura é uma espécie de passatempo, uma viagem, uma forma de nos desprendermos de nossa realidade e passear por diversos mundos, exercitar a leitura com algo fora do seu circulo de literatura é muito bom para ter uma visão mais crítica. E Meus Desacontecimentos foi o primeiro livro fora de meu circulo depois muito tempo.

Meus Desacontecimentos jamais deixou de ser um livro bom, lembre-se disso! Eu só precisei me acostumar com a leitura e sua complexidade. ;D E espero conseguir superar isso com a ajuda do Clube do Livro que estou participando com alguns amigos aqui em Goiânia (espero tirar algumas fotos de algum encontrinho em breve). Estou lendo atualmente O Chamado do Cuco, de Robert Galbraith (psedônimo da querida JK Rowling), que retrata um romance policial. Nunca fui fã de romances policiais, e por enquanto estou gostando muito!

E você? Já leu algum livro fora do seu circulo de leitura habitual?

Veja também...

Resenha: Eragon, Ciclo da Herança
Resenha: Maze Runner, Prova de Fogo
Resenha: Maze Runner, Correr ou Morrer

14 Comentário(s)

(14 pelo blog e pelo facebook)
  • Jefferson Reis
    Visitar blog
    18 . 11 . 2016

    Gosto muito de livros nesse estilo. Uma professora que pesquisa memórias literárias me indicou esse, da Eliane Brum. A leitura foi uma experiência prazerosa ao mesmo tempo que intensa, como você disse. Caso queira ler algo no estilo diário, indico "Hell -Paris 75016", de Lolita Pile; "1oo escovadas antes de ir para a cama", de Melissa Panarello; e "Ilusões pesadas", de Sasha Sperling.

    Responder

  • Tati
    Visitar blog
    03 . 09 . 2014

    Eu gosto de livros intensos. Tenho um pouco de dificuldade de lê-los, sempre demoro para terminar, mas eu realmente gosto de uma leitura que não me faz apenas viajar, mas que me leva para lugares mais escuros, que me fazem pensar e refletir, e até aqueles que me fazem chorar e sofrer com os personagens. Tudo começou quando eu li "O meu coração é um caçador solitário", um livro muito bom que me deixou um pouco traumatizada quando não teve aquele final "feliz" que eu esperava. E pra um título tão "bonito", eu esperava uma história "bonita" e não foi bem assim.
    É a primeira resenha o Meus Desacontecimentos que eu leio, penso que deve ser um bom livro! Espero ter oportunidade de lê-lo algum dia.

    Beijos!

    Responder

    • Aninha
      Visitar blog
      03 . 09 . 2014

      @Tati, eu também sinto dificuldade para ler, mas gosto de encarar o desafio, apesar de ser, no início, bem exaustivo pela falta do costume de ler uma literatura deste estilo. Eu tenho medo de ler estes livros maravilhosos e que não tem uma história "bonita", haha. Já sinto cheiro de ressaca literária kkkkk
      Leia Meus Desacontecimentos sim, Tati! Ele é ótimo e bastante reflexivo ♥
      Beijocas!

      Responder