Vida de freelancer: Quanto custa o meu design?

Design

Você gosta de projetar, quebrar cabeça com perguntas, colocar toda sua personalidade em seus projetos, pensa em seu usuário e o que ele irá sentir ao ver o seu trabalho. Você adora pensar em problemas e achar soluções. Faz anotações, rascunhos e sabe que não deve ser não só lindo, único e encantador, mas também precisa ser útil, fácil, e funcionar. Sim, você se apaixonou pelo design, assim como a Aninha aqui. Mas não adianta se apaixonar, exercer sua função e não saber o valor de seu trabalho.

É aí que você deve se perguntar… Quanto custa o meu design?

Este post não será uma resenha do livro Quanto Custa Meu Design?, de André Beltrão. Achei o título digno para usar neste post! Na verdade, é um post sobre as minhas experiências profissionais, mesmo antes de me reconhecer como designer! Apesar deste livro me ajudar muito a me organizar financeiramente, não há nada melhor do que você mesmo reconhecer não só apenas quanto custa o que faz, mas também o valor disso. Valor que digo é profissionalismo, qualidade, estudo, disciplina… coisas que podem agregar também ao orçamento de seu projeto.

Há 5 anos atrás, eu não fazia ideia de quanto cobrava por um projeto (vulgo "encomenda", lembra?). Além de eu não saber o quanto eu precisava cobrar, eu não fazia ideia do valor que minha mão de obra tinha. Sentia como se meus trabalhos não podiam passar de 100 reais, mesmo trabalhando uma semana incansavelmente e aguardando os tão sonhados 100 conto que o cliente tinha prometido.

Quando eu acreditava que cobrar 100 reais era um preço ótimo para fazer um projeto de web completo, recebi um e-mail um dia de um designer que estava há anos no mercado e achou meu portfólio (na época chamava-se Madly Luv Designs). Foi um e-mail que mexeu muito comigo. A pessoa não falou mal do meu trabalho, também não elogiou horrores, mas me deu um conselho que levo até hoje: É preciso entender que o seu trabalho não é uma simples brincadeira, e, mesmo se for um hobbie como outro qualquer, tem o seu valor. Você se dedica, estuda e dá o seu melhor. Vale mais ainda quando se faz com prazer. Se ama o que faz, a tendência é só melhorar!

Como isso tudo pode custar míseros 100 reais? E aquele final de semana que você não dormiu só para conseguir fazer algo que agora você já faz em menos de 2h? Isso tem valor. Tempo é dinheiro, mesmo não sendo o tempo que você gastou para fazer um projeto. O tempo que você estudou, independente de trabalho, vale. Aquele cursinho que você fez no SENAC vale. Aqueles livros de design que você leu vale. Aquela palestra que você assistiu vale. Todo aquele tempo de faculdade também vale. Tudo é investimento para sua carreira.

Agora, fala para mim… você, futuro designer, já passou por isso, não é? Já sentiu como se o seu trabalho jamais poderia valer 500, 600… até 1.000 reais ou mais! É tão caro, não é? Não! Acredite, pensar nisso é muito comum, infelizmente. Digo isso agora pois, se aconteceu comigo há anos atrás, quem garante que outro também não passou por este mesmo pensamento agora? Sim, seu trabalho pode e deve ser valorizado.

É por ter esta grande variação de orçamento para um mesmo tipo de projeto que os clientes ficam confusos. Até julgam a qualidade do trabalho alheio ou reclamam de um preço absurdo (que na verdade nem é!) por ter visto outros trabalhos que custam praticamente nada. Às vezes, os clientes não conseguem enxergar um preço justo pelo fato dos próprios profissionais de design não terem a ideia do valor de seu próprio serviço.

Sabia que há uma tabela de valores para todos os tipos de projetos de design? É uma tabela criada pela Associação dos Designers Gráficos do Distrito Federal que auxilia e dá uma ideia para o designer sobre o quanto ele deve cobrar por um projeto. Os preços são sugestivos e devem ser colocados junto com todo o seu conhecimento em uma balança e pensar quanto sua mão de obra pode custar. Deve-se levar em conta sua experiência, prazo de entrega, exigências do cliente, e tudo mais! Tudo isso interfere no orçamento, que pode ser tanto mais caro ou mais barato do que o valor sugerido na tabela. ;D

"Escolha um trabalho que você ame e não terás que trabalhar um único dia em sua vida."Confúcio

Se quer viver de design é preciso se entender e realmente amar o que faz. Ter a plena noção de seus conhecimentos e saber que seu intelectual é valioso! É duro entender que o que você fazia "brincando" agora é o que pagará suas contas. Digo isso por experiência própria! Jamais faça um trabalho de graça ou aceite-o por um valor que você sabe que é pura exploração. Designer recém chegado no mercado de trabalho costuma trabalhar praticamente de graça até finalmente entender que seu trabalho não é só um cuspe na tela. E se se valorizar de maneira consciente, o cliente também valorizará.

Depois de algumas semanas sumidinha, eu queria voltar e escrever sobre este assunto. Sei que muitos leitores daqui são apaixonados por design e querem viver disso como eu vivo, e por isso senti esta necessidade de escrever. É uma coisa séria e recorrente nesta blogosfera. Muitos não sabem nem onde recorrer e queria dar uma iluminada, hehe.

A foto está ridícula, mas achei engraçado os olhinhos esbugalhados hahaha

Bom, eu espero que este post tenha sido útil! Agora é a sua vez de me contar a sua experiência, ok? ::cool::

Veja também...

Vida de Freelancer: 6 atitudes que mudaram a minha vida profissional
Vida de Freelancer: Como ter um portfólio perfeito
Vida de Freelancer: Tempos difíceis sempre acontecem

30 Comentário(s)

(30 pelo blog e pelo facebook)
  • Juliana Sutti
    Visitar blog
    14 . 11 . 2014

    Acho esse assunto mais do que válido!
    Não entendo nada de design, jamais poderia trabalhar com isso. Quando tentei foi aquele fracasso, passei o maior nervoso e não consegui resolver um probleminha supersimples.
    Isso fez com que eu valorizasse MUITO o trabalho de vocês. É claro que nem sempre eu tenho o valor pedido, mas isso não quer dizer que o trabalho seja caro, é só que eu não tenho aquele dinheiro, naquela hora.

    Você tem mais é que valorizar o trabalho de vocês mesmo!

    Beijos ;)

    Responder

    • Aninha
      Visitar blog
      14 . 11 . 2014

      @Juh, com certeza! Precisa ser valorizado mesmo, haha. Dá trabalho horrores, haha. Mas é sempre assim né, é na pratica que a gente realmente sabe o valor *-*

      Beijocas e obrigada pelo seu comentário!

      Responder

  • Jess
    Visitar blog
    24 . 08 . 2014

    Oi Ana. Acho que é a primeira vez que venho aqui. Na verdade me lembro vagamente do seu blog que acho que visitava há uns BONS ANOS atrás. hehehe Enfim…

    Também estou trabalhando na área. Na verdade, assim como você faço freelas há anos, que no começo, era apenas para pagar os livros de um outro curso superior que fazia. Como sabia fazer sites (formação técnica na área) fui fazendo e ganhando um "troco". Até perceber que estava errado e era injusto estar fazendo aquilo. Injusto com as outras pessoas da área e injusto comigo mesma. Foi quando parei de fazer qualquer tipo de trabalho na web. Acontece que essa distância mostrou para mim que o design poderia ser algo levado a sério, algo para qual eu tinha talento e gosto. Por isso decidi me profissionalizar, criar um bom portfólio, começar um curso na área, e etc. Foi um processo e só nele eu fui entendendo o quanto vale o meu trabalho. A primeira vez que ganhei mais de r$600,00 em um projeto mal acreditei que aquilo poderia ser real. Hoje eu sei que vale até muito mais. O investimento de tempo, compra de licenças, cursos, energia, internet (entre tantas outras despesas) não são contabilizados por nós no início. Mas precisam ser. E as vezes nem é má fé, como você disse é falta de conhecimento. Há pouca formação disponível (mesmo técnica, como um primeiro inicio) e ficamos sem muita orientação, por ser algo novo e sem parâmetros claros.

    Eu gostei do seu post porque você orienta e incentiva, ao invés de apenas criticar. A postura que as vezes observo em alguns designers que já se consolidaram no mercado é a de apenas ficar criticando quem está começando e cobra barato, quando na verdade a orientação é o melhor caminho.

    Responder

  • Sara
    06 . 08 . 2014

    Esse com certeza é um assunto que me chateia. Eu sou freelancer mas não tenho certificado, mas aprendi muita coisa sozinha. Ano passado eu terminei o ensino médio e me dediquei as codificações e aprendi muito e sei o valor do meu trabalho atualmente. Antes eu cobrava merreca porque eu realmente não sabia muita coisa e não tinha noção mas hoje eu evolui e meu trabalho vale mais. O que me irrita são as pessoas que acham que R$100,00 é caro para um trabalho muito bem feito. E olha que isso ainda é de graça. Vem gente fazer orçamento e passo um preço abaixo do que eu realmente deveria cobrar e ainda reclama, pede para abaixar. Nada mais chato do que pessoas que não valorizam meu trabalho.
    Estou esperando uma oportunidade boa e assim poder elevar o preço para o que meu trabalho realmente merece.

    Responder

    • Aninha
      Visitar blog
      06 . 08 . 2014

      @Sara, antes de mais nada é preciso se valorizar, de fato. É triste ver pessoas que não valorizam seu trabalho. Mas é preciso ser persistente, e ser muito profissional. Quando um cliente reclama de preço não consigo mais ficar babando ovo e abaixando preço para satisfazê-lo. Também temos nossas metas, prioridades, contas a pagar, né! É uma profissão como outra qualquer, e merece respeito. ;)

      Responder


1345