Complacência

Pessoalidades

É difícil ver que você machuca algumas pessoas que ama por algo que você acredita que não esteja errado. Você não se sente culpada absolutamente por nada que você fez ou pensa em fazer, já que seu coração diz que você não está cometendo nenhum crime, e é estranho quando a sua razão também concorda com isso — o que fortalece mais ainda as convicções. Mas o que me dói é ver que posso estar machucando pessoas das quais amo muito. Eu entendo perfeitamente o sofrimento delas. É isso que me deixa ruim também, porque eu consigo me colocar no lugar delas e quase poder sentir sua dor.

Eu nunca quis machuca-las, mas não posso seguir seus princípios a vida inteira. Eu tenho os meus próprios a serem seguidos e não acredito que seja falta de respeito segui-los em vez de outros que querem ser impostos sob mim. Os assuntos são delicados e podem refletir graves consequências, mas isso não quer dizer que não pensei em tudo isso. Sei o que estou fazendo e tenho total consciência. Não sou nenhuma idiota que faz as coisas por impulsos sem pensar nas consequências depois, independentemente de situações simples ou complicadas. Fui assim na minha adolescência, quando eu tinha uns 14 ou 15 anos, e tive que enfrentar situações ruins por conta das minhas babaquices. Perdi amizades, pessoas das quais eu amava de verdade, por situações bobas que criei e não calculei o prejuízo que poderia ter.

Posso ser ingênua em muitas coisas, mas não sou mais idiota. Mas o que me resta neste instante é ter paciência. Não quero ferir mais do que já estou ferindo, mesmo eu sabendo que não estou fazendo nada de errado. Meu coração está tranquilo, mas seria egoísmo meu ignorar o que está à minha volta. Neste caso, não posso pensar somente em mim, mas também nas pessoas que amo. E eu não suportaria vê-las sofrer. Há horas em que precisamos ser complacentes para evitar o sofrimento das pessoas que você se importa, mesmo com a consciência limpa.

Veja também...

Realizações de 2016 e pedidos para 2017
Projeto Mete a Colher: Sororidade na palma da mão
Realizando um sonho: Inglaterra!

11 Comentário(s)

(11 pelo blog e pelo facebook)
  • Cami
    Visitar blog
    26 . 10 . 2010

    Oolá aninha!
    Primeiramente, agradeço meesmo a paciência nas minhas perguntas, e que bom que gostou das minhas (loucas) idéias pra fotografia!
    Mas o assunto que você tratou no post é um tanto quanto delicado… Não sei o que houve pra poder dar uma opinião melhor, mas digo pra você uma coisa com toda certeza: depois que vc decide, bate o pé, e impõe que é isso que você quer, vão acabar te entendendo, pode ter certeza!
    Melhoras, querida ;/
    Beeeijos

    Responder

  • dajna hoyos
    Visitar blog
    26 . 10 . 2010

    incrível como passo pela MESMA situação neste momento, e é como você, com pessoas da minha família, que amo… mas enfim… não dá pra seguir a vida dos outros pra sempre… mas dói tanto… :(

    Responder

  • :: Loma
    Visitar blog
    26 . 10 . 2010

    Hey Anita ^^

    Como vc já fiz algumas coisas sem pensar, mas isso devido minha falta de maturidade, hoje sigo algumas regras quais eu acredito como pessoa, mas é complicado quando temos que ter tal complacência, vc acaba que ocultando quem vc é para que assim haja um meio termo de resolver as coisas.
    Sentimentos, coração, ser HUMANO é complicado demais, tenho a plena certeza que morrerei sem saber todas as respostas.

    Xoxo

    :: Loma

    Responder

  • priscilla
    Visitar blog
    26 . 10 . 2010

    Bem complicado isso. Se fosse a opnião de qualquer um por aí , poderiamos sair ignorando sem problema algum, mas nao é qualquer um, sao pessoas que amamos, nossa familia e/ou pessoas queridas, então é continuar sendo quem somos, mas tentar nao ferir as pessoas por isso. T:

    Responder

  • Gaby
    Visitar blog
    26 . 10 . 2010

    Olá Aninha!
    Imagino o quão complicada seja essa situação. Acredito que não devemos seguir princípios que são impostos pela nossa família, por mais que isso possa magoar pessoas que amamos muito. Eles já tiveram a chance de traçar seus destinos e não concordo com a atitude de inibir a oportunidade que temos de fazer isso com o nosso próprio. Para que nenhuma das partes saia machucada dessa história, acho que o melhor a se fazer é ter uma boa conversa, pois o diálogo é uma ótima forma de decidir as coisas da melhor forma. Torço para que tudo acabe bem. ^^
    Boa semana!
    Beijoquinhas Mil ;**

    Responder