Madly Luv ~ Since 2007 ~ By Ana Flávia Cador
 
May 24, 2012
 

Coração pede arrego

Reflexões 

A sensibilidade extrema às vezes te mata. Juro, não estou brincando com isso. Às vezes eu queria ter a habilidade de ser indiferente com diversas coisas, complexas ou supérfluas, tanto faz. Admiro muito quem tem a habilidade de dizer "ah, esqueça" e realmente deixar de lado e não pensar mais nisso. Sério, como consegue?

É quase o clichê do famoso botãozinho "foda-se", que é a mesma coisa que mandar todo mundo tomar naquele lugar e para a aquela outra que te pariu. E isso, meu amigo, é um indício de que você está, de alguma forma, se importando. É o se importar de não se importar e alimentar isso inconscientemente. É fogos de artifício disfarçado de faísca e maquiada com o pó da indiferença. É uma sensibilidade inversa, mas ainda está ali, pronta para explodir a qualquer momento.

fonte da imagem: we♥it

O ponto que eu queria mesmo atingir é como uma pessoa em sã consciência, tem a incrível habilidade de realmente não se importar. Ou melhor, escolher em não se importar. É um total controle de seus sentimentos, ser extremamente racional. É condicionar o seu cérebro a determinar se aquilo merece ou não ter sua atenção, e deixar seu coração de lado. Ser terrivelmente (ou perfeitamente) indiferente, e dar importância a um determinado fato na hora necessária — ou simplesmente deixar de lado — e não sentir absolutamente nada em relação à isso.

Sério, quem sabe fazer isso merece meus parabéns, porque olha…

Beijos,Aninha
 
 
Beijos,Aninha
 
 
Mar 12, 2012
 

Super poder

Reflexões 

Quando éramos criança sempre vinha alguém e nos perguntava qual super poder que queríamos ter. Eu logo pensava nos super heróis da Marvel, e sempre ficava na dúvida se eu queria ser invisível, ler pensamentos, voar ou voltar e avançar no tempo. Não venha me dizer que nunca pensou nisso também? Pois bem… mas com o passar do tempo a gente cresce, e sabemos que as chances de presenciar e sobreviver a uma grande irradiação não é da mesma forma que acontece nos quadrinhos (infelizmente). O mundo real é bem mais cruel e complicado do que simplesmente adquirir uma "habilidade sobre-humana" e salvar o mundo.

Ser invisível é fácil, é só se meter no meio de uma multidão no meio da rua que ninguém vai te notar. Ler pensamento até que é possível para um mero mortal, é só ler os olhos de alguém que você ama e o conhece como a palma de sua mão que você pode descobrir que se passa em sua mente. Voar é só ser abraçado, beijado e amado por essa mesma pessoa — e viajar de avião também, haha. Voltar no tempo pode ser impossível, mas com o perdão e amor, talvez as coisas podem voltar a ser como eram.

Super poder mesmo é quanto temos que ter o autocontrole. É admirável uma pessoa que consegue controlar suas aflições, medos, atitudes, e não entrar me paranoia. É também apertar o botão foda-se e seguir a vida normalmente, vivendo a vida à base do dilema "deixar rolar e ver no que é que dá". É também o autocontrole de limpar a casa, cuidar de alguém, estudar, trabalhar, pensar em mil coisas boas e ruins e sorrir ao mesmo tempo para seu filho sem pirar com as dívidas que tem que pagar. Isso também é super.

(foto via martazappia)

Mas antes de querer salvar o mundo, primeiro devemos salvar a nós mesmos. Talvez seja isso que certas pessoas estão precisando: ser o seu próprio herói.

Beijos,Aninha
 
 
Beijos,Aninha
 
23 pages