A impontualidade do amor

Coisas de amor

"O jeito é direcionar o radar para norte, sul, leste e oeste. Seu amor pode estar no corredor de um supermercado, pode estar impaciente na fila de um banco, pode estar pechinchando numa livraria, pode estar cantarolando sozinho dentro de um carro. Pode estar aqui mesmo, no computador, dando o maior mole. O amor está em todos os lugares, você que não procura direito.

A primeira lição está dada: o amor é onipresente. Agora a segunda: mas é imprevisível. Jamais espere ouvir "eu te amo" num jantar à luz de velas, no dia dos namorados. Ou receber flores logo após a primeira transa. O amor odeia clichês. Você vai ouvir "eu te amo" numa terça-feira, às quatro da tarde, depois de uma discussão, e as flores vão chegar no dia que você tirar carteira de motorista, depois de aprovado no teste de baliza. Idealizar é sofrer. Amar é surpreender."

— trechos da crônica "A impontualidade do amor", de Martha Medeiros

(fonte: pensador.info | foto via weheartit)

 
[member]Minha vida deu um giro de 360º. Tudo continuou normal, e ao mesmo tempo diferente. Eu jamais pensei que aquele garoto que eu brincava na rua, quando tínhamos nossos 10 e 11 anos, estaria hoje ao meu lado. Nunca pensei que esse rapaz que cantava do outro lado do muro a música "Ana Júlia", de Los Hermanos (irritantemente repetidas vezes), seria hoje o principal motivo do meu sorriso bobo. Em hipótese alguma imaginei que esse rapaz crescido, o homem que sempre me cumprimentou na rua durante este ano estaria hoje me fazendo acreditar que tudo tem uma hora para se acontecer, que nada é por acaso.

Um dia nos encontramos "por acaso" no ônibus vindo para casa. Nos cumprimentamos, como sempre, mas depois de muitos anos, conversamos. Uma vontade louca de falar com ele passou por mim. Matei minha timidez e puxei conversa, e eu não queria parar mais. Nos dias seguintes, um bom dia diferente de manhãzinha, sempre acompanhada com aquele friozinho na barriga. À noite, sempre uma mensagem de boa noite e conversas bobas no facebook. No final de semana uma saída para o clube, e na outra ele veio em minha casa e me pediu em namoro. Oi? ::attention::

Eu detesto que as coisas aconteçam tudo muito rápido, entretanto eu realmente não pude evitar. Foi mais forte do que eu. Abandonei toda a minha dureza que venho alimentando durante todos esses meses e enterrando todo o meu passado, engavetando tudo o que tenho feito nos últimos dois anos, trancando a sete chaves e jogando-as fora para me livrar de vez do rosto de um fantasma. Eu não confiava mais em homem algum. Ei, já passei por cada situação, que essa começou a ser meu principal argumento quando se tratava de homens em minha vida. Todos me pareciam aproveitadores, traiçoeiros e oportunistas. Mas, por algum motivo, hoje eu engoli o medo e dei um voto de confiança a mim mesma.

Mas não sei o que houve em mim. Comecei a, inacreditavelmente, pensar… Por que não permitir? Vai que talvez vale a pena, não? Eu já sofri algumas vezes, posso aguentar mais uma. Sim, sou extremista a este ponto; sempre fico a pensar na pior hipótese que pode acontecer. Entretanto, confiança que sempre demoro a construir, desta vez formou-se no primeiro momento em que ele pegou em minha mão e beijou minha testa.

Eu o conheço praticamente desde os meus 10 anos de idade, e moramos desde sempre na mesma rua, a cerca de 50 metros de distância. Por que foi só agora que o olhei com outros olhos? E por que isso também aconteceu para ele? Inicialmente isso ficava matutando em minha mente, mas hoje tenho certeza: nós não entramos na vida do outro por acaso. E como ele mesmo disse, foi Deus que nos uniu e nos juntou neste momento, e digo que primeiro tivemos que passar por várias coisas e amadurecer até um certo ponto, para depois um reconhecer o outro.

Eu sinto que, desta vez, talvez realmente pode dar certo. Só espero não me enganar novamente, como todas as outras vezes, como você (se é meu leitor a anos) já deve saber.[/member]

Mas eu não posso negar que é engraçado a maneira como que acontecem as melhores coisas em nossas vidas. É quando realmente não esperamos, quando temos a quase certeza que nada mais mudará, quando pensamos que já temos um futuro de que será aquilo, pronto e acabou. E é neste momento mais improvável que alguém aparece e dá um giro em sua vida e grita em seu ouvido para acordar. Sabe aquela expressão "Parece que te conheço a vida toda"? Pois bem, literalmente posso dizer isso, e não ter dúvida alguma.

Veja também...

Que tudo se floreça
A falsa liberdade
Palavras em música: Abrigo

9 Comentário(s)

(9 pelo blog e pelo facebook)
  • Talita Korb
    Visitar blog
    30 . 08 . 2011

    Oi Ana! Quanto tempo que não apareço, tenho três posts para comentar auehauehaueheuhua. Depois desse tempo sem postar, voltei =D

    Eu desejo muitas felicidades para vocês! Assim como você, minha vida também deu um belo giro (não no sentido romântico/sentimental), e entendo, chega até a ser estranho kkk Acho que as melhores coisas da vida aparecem no momento em que menos esperamos.

    Desejo tudo de bom ao casal =D

    Beijo ;*

    Responder

  • Patricia
    Visitar blog
    28 . 08 . 2011

    Ana você não tem noção de como fico feliz por você.
    Seje muito feliz nesse novo amor e aproveite cada momento, não deixe passar nada para depois não se arrepender mesmo que talvez de tudo errado.
    E amei mais ainda esse texto da Martha Medeiros.

    Beijoos

    Responder

  • Mayara
    Visitar blog
    25 . 08 . 2011

    Poxa, amiga! Fiquei tão feliz por você quando vi no seu status do facebook que tava namorando, que até comentei no twitter! Realmente você já passou por poucas e boas, e não é legal ver amigas sofrendo. Mas tudo vai dar certo, e se não der (Deus queira que dê) é porque não era pra ser, era só uma lição da vida e bola pra frente, que seja eterno enquanto dure!

    Responder

  • Giullia
    Visitar blog
    25 . 08 . 2011

    Olá Ana, tudo bem?
    O texto é simplesmente maravilhoso, e seu tema é muito lindo.
    Parabéns *-* Seu blog e seus textos sempre me inspiram.
    Beijos e boa sexta ;*

    Responder