A falsa liberdade

Coisas de amor

Quando se trata de fidelidade e amor, as opiniões rolam soltas e cada um tem o seu ponto de vista que deve ser respeitado. Entretanto, li um dia um artigo na hype science que me deixou intrigada, para não dizer incomodada. É um assunto complicado, mas eu gostaria de registrar minha opinião por aqui.

De acordo com autora do artigo, não há como se sentir atraído somente pela pessoa na qual você escolheu viver a vida toda, e que há pessoas que não se sentem completas com apenas um único parceiro. Que infidelidade é perdoável quando verdadeiramente se ama, visto que quem "trai" é consequencia de um impulso natural. Desculpe, mas não acho nada aceitável saber que meu namorado sai por ai respondendo impulsos naturais e depois passar pela minha porta comentando isso como algo normal e, quem sabe, pedir perdão por isso. Para depois sair pela mesma porta e fazer tudo de novo? Nem eu mesma aceitaria se fosse eu fizesse isso.

Concordo plenamente que pode acontecer de sentir atração por outra pessoa além da que você ama. É isso que é, de fato, um impulso natural. Querendo ou não, instinto é algo inegável. Porém, somos seres pensantes. Não resistir à tentação é que torna as coisas completamente diferentes e, em grande parte dos casos, desastrosas.

Sei que há casais que estão de comum acordo com o "relacionamento aberto". Se são felizes assim, que sejam. O problema é quando não há este acordo, e simplesmente fingir ou esquecer que nada implicará é burrice. Pedir perdão nem sempre resolve. O amor é lindo, porém não é só disso que um relacionamento é feito.

Que me chame de careta, conservadora, mente fechada, o que seja… mas isto, para mim é falta de integridade e respeito ao companheiro. É apelar e seguir puramente seus instintos e seus impulsos como se nada nem ninguém tivesse nada a ver com isso. A vida é sua foda-se o resto (ou alguém). É sentir aquela liberdade de fazer o que quiser. Espera aí… estamos falando de liberdade ou libertinagem?

Vale mesmo a pena ceder alguns minutos de minha vida a alguém por atração, por um desejo que pode-se apagar amanhã? Estarei mesmo colocando em cheque toda a minha integridade e meus princípios por alguns minutos de prazer com outro alguém sabendo que há outro no qual tenho algo muito melhor, concreto, verdadeiro e duradouro? E melhor… saber que ele também sente a mesma coisa? Qual o sentido de colocar em cheque tudo isso? Que liberdade é essa onde há tantas consequencias a minha volta?

Foto via Tim Coulson

Carência, brigas e desentendimentos existem. Amar também é encarar as coisas ruins de um relacionamento. Não há felizes para sempre, e nem tudo é perfeito em um namoro, ou casamento. É justamente nestas horas em que o amor põe-se à prova. É reconhecer nestas horas que esse alguém é a pessoa na qual você tem a melhor amizade, confiança, cumplicidade… E saber que atração física é o de menos, e ainda sim reconhecer que esta pessoa é extremamente linda. É saber que aquele momento difícil irá passar, que irão lutar contra isso. É saber que seus atos têm consequencia, que não se trata apenas do seu prazer de sua satisfação momentânea com outro alguém. Se for para ser este caso, então que vá viver sua solteirice de forma plena, não se importando com mais ninguém além de si.

Ninguém é fiel a ninguém, e muito menos propriedade de alguém. A fidelidade é algo que devemos à nós mesmos. Quando estou fazendo um compromisso com alguém, eu também estou fazendo um compromisso a mim mesma. E a partir do momento em que digo não à tentação, estou honrado a mim mesma e a minha decisão de viver com a pessoa que amo, pois foi ela quem escolhi.

Aos se tratar de uma pessoa específica, a pessoa na qual você, por livre e espontânea vontade, está ali com ela para viver enquanto for durar o amor entre vocês, é necessário pensar em conjunto. Temos liberdade em nossas escolhas. Deus nos deu o privilégio do livre arbítrio, e se foi escolha minha, e de mais ninguém, viver com aquele homem, eu preciso ser madura o suficiente para assumir e honrar minha decisão.

Ignorar tudo isso não seria nada além do que puro egoísmo.

Veja também...

Palavras em música: Abrigo
"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas"
É nosso

29 Comentário(s)

(29 pelo blog e pelo facebook)
  • Anna Larissa
    Visitar blog
    13 . 01 . 2014

    Aninha eu concordo plenamente com você! Eu tenho um namoro que agora em 2014 vai completar 5 anos. Eu devo admitir que já me senti atraída por outra pessoa, mas eu me fiz exatamente as perguntas que você fez neste post, será que vale a pena trocar uma segurança pelo incerto, eu deixei de amar a pessoa que está do meu lado sempre? A resposta pra mim foi óbvia, estou com o meu namorado até hoje e o amo demais.

    O seu post pôs em palavras o que eu sempre quis dizer para vários amigos meus!

    Abraço forte •-•

    Responder

    • Aninha
      Visitar blog
      13 . 01 . 2014

      Oi @Anna Larissa!
      O motivo deste post foi justamente o que aconteceu contigo. Se sentir atraída por outra pessoa. E isso foi o que me deixou mais indignada com aquele artigo. Podemos amar com todas nossas forças alguém, e sim, sentir uma atração por outra. Só que não passa disso se você realmente o seu namorado. Foi o que me fez perceber que o que a autora do artigo disse, não passa de uma desculpa, com se a ciência e nosso instinto animal fossem o culpados da história e não temos controle sobre nós mesmas e saber dividir as coisas.

      Obrigada por me compreender! *-*
      Um beijo grande, e tenha uma ótima semana! ;*

      Responder

  • Thami
    Visitar blog
    05 . 12 . 2013

    Nossa, quanto tempo! Eu lembro que eu vinha aqui todos os dias! Dai eu me distanciei do blog por um tempo, mas voltei em 2011 e nossa, fico muito feliz em saber que tem alguns blogs que eu conhecia em 2007 que ainda estão ativos e isso é muito bom! E aqui continua lindo!!! :') Perdi até o que eu ia comentar sobre o texto desse post, hahaha.

    Responder

  • Luis
    Visitar blog
    28 . 11 . 2013

    Madly Luv <3 a muito tempo que não visitava aqui, sou muito fã desse blog desde 2009 onde começei a aprender wordpress e cutenews por aqui, muito lindo o conto do seu post ana!!

    Responder

  • Andreia
    22 . 11 . 2013

    Bem, eis um assunto e tanto! para, tudo que está a dizer nesse artigo é basicamente: "traiam os vossos parceiros. Afinal, o que são 2013 anos de evolução (intelectual, mas não moral infelizmente. ._.) se continuamos a ser os mesmos 'animais' que viviam nas cavernas?!"

    Há umas semanas atrás apareceu um rapaz por quem tive uma grande paixão. (Não digo amor, porque amor é que o sinto pelo namorado, embora eu nunca lho disse nesses termos :P). Falo daquele tipo de paixão que só encontramos nos livros senSuais, sabes? :P O que caso é que apesar de ele ter tentado, eu não quis. (Tá, eu quis! >.<) eu simplesmente quando pensei na balança – ser metade capricorniana num corpo canceriano tem destas coisas – o que era mais importante: viver uma paixão que mais tarde ou mais cedo me ia trazer lágrimas e dor e continuar a ter um amor que me transmite segurança, conforto e tudo o que há de bom no mundo, eu decidi que não ia botar 8 anos de puro amor por causa de uma paixão que provavelmente não ia acabar bem.

    Por isso, de onde é que ela tirou a ideia de que trair é consequência de um impulso natural? Eu senti esse 'impulso', mas isso não quer dizer que não tenha cabecinha para pensar duas vezes.

    De que adianta uma boa noite de paixão se depois na manhã seguinte descobriu que perdeu aquilo que era mais caro, para além de sentir uma culpa que não passa nem com o perdão do parceiro? -_-

    Enfim… para mim o artigo só diz disparates. É como vir agora dizerem que os alemães são todos iguais (ou são todos nazistas) só porque nasceram na Alemanha. Há documentos, relatos até de próprios alemães (embora eles não tenham querido mostrar a cara por medo de serem perseguidos depois) terem dito que contra tudo e contra todos chegaram a esconder dentro das próprias casas judeus que estavam a fugir do regime nazista. E como se acolher judeu – sabendo que se fossem descobertos seriam executados em praça publica – foram mais além: alguns até acordar com judeus ADOPTAR os filhos deles para evitar que fossem parar ao campos de extermínio. Isso porque havia crianças judias que se olhasses atentamente não pareciam ser judias e sim alemãs.

    Sei que uma coisa não tem nada a ver com a outra, mas tu entendes onde quer chegar, né? ._.

    Beijokas

    Responder

    • Aninha
      Visitar blog
      18 . 12 . 2013

      @Andreia, uma coisa tem toda a ver com a outra! E eu entendi perfeitamente o você quis dizer. Um dos grandes motivos de eu ter escrito este post foi porque também senti paixão por alguém que não foi meu namorado, mas que eu logo sabia que isso iria passar e que só traria consequências para mim se eu fosse guiada pelos meus instintos. Fiquei tentada? Demais! Mas nem por isso fui capaz de trair meu namorado. Qual sentido tem? É completamente irracional. Completamente instintivo. Completamente imbecil.

      Obrigada por compartilhar seus pensamentos comigo Andreia! Desculpe-me a demora para responder. Fiquei muito feliz ao ler seu relato e me identificar com ele *-*

      Um beijo grande, e obrigada!

      Responder

  • Angelica
    Visitar blog
    21 . 11 . 2013

    Que ótimo texto Aninha! Assim como você acredito muito na fidelidade entre a gente e nossa consciência. Até acho natural uma pessoa se sentira traída por outra que não seja seu parceiro, afinal de contas não somos apenas feitos de carne e osso. Temos sentimentos, temos sensações que são involuntarios na maioria das vezes. Mas somos racionais e conseguimos destinguir o que é certo e o que é errado. Não acho que o amor perdoa tudo. Um relacionamento não sobrevive apenas com o amor…
    Acho que esse artigo que você leu é só mais uma desculpa para encobrir pessoas fracas e sem ideais e honestidade. Porque pra mim um relacionamento é feito principalemente de confiaça. Amor sem confiança não so revive jamais!

    Beijos!

    Responder

    • Aninha
      Visitar blog
      18 . 12 . 2013

      Exatamente @Angelica! Somos seres pensantes, sabemos de nossas consequencias e, antes de mais nada, conseguimos nos colocar no lugar do próximo e perceber o quanto isso é desrespeitoso. Também não acho que o amor perdoa tudo. Uma pessoa não esquece isso, e jamais será a mesma depois de ser traída. Envolve tantas coisas…

      Quando tiver paciência e um tempinho, leia o artigo. Você ficará chocada com algumas coisas que a autora diz >.<

      Beijocas, e obrigada por compartilhar comigo sua opinião *-*

      Responder